HISTÓRIAS DE FAMÍLIA: CASAMENTOS, ALIANÇAS E FORTUNAS

MARIETA DE MORAES FERREIRA Marieta de Moraes Ferreira, (1948 - ) Histórias de família: casamentos, alianças e fortuna.Leo Christiano Editorial, 2008; 1.Moraes, Ferreira de, família. 2.Imigrantes - Nova Friburgo (RJ) – ISBN 978-85-85020-000

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Histórias de Família: Casamentos, Alianças e Fortunas alia vasto conhecimento histórico a um estilo delicioso que leva o leitor a querer descobrir sempre mais a respeito do assunto central do livro, as trajetórias de várias gerações de famílias do estado do Rio de Janeiro, desde o fim do século XVIII até quase os tempos atuais. A partir da trajetória de um casal específico - Adelaide, ou Pequenina (1887-1976), e Vicente de Moraes (1887-1947)- Marieta de Moraes Ferreira recua sua pesquisa no tempo, reconstituindo os destinos de imigrantes portugueses que se dedicaram à exploração do ouro em Minas Gerais, ao plantio do café no interior fluminense ou ao comércio em São João Del Rei e no Rio de Janeiro, bem como de pioneiros suiços fundadores de Nova Friburgo. Seguindo muito de perto as trajetórias dos descendentes dos casais originais - suas realizações pessoais, sonhos, frustrações, a autora desvenda uma rica história familiar, relacionando-a à história brasileira. Em meio à emocionante narrativa de rituais, cartas particulares, negócios, segredos familiares, modas, emoções contrariadas, compras e vendas, festas, nascimentos, acordos políticos, casamentos e mortes dos personagens, o leitor vai compreendendo a história de um certo Brasil, da mineração colonial à imigração européia, do avanço do café escravista ao trabalho livre, da política da República Velha à ordem instalada com a Revolução de 30, para citar apenas exemplos. As numerosas estratégias familiares apresentadas, especialmente as matrimoniais, vão revelando o rico mundo da construção de alianças e redes de solidariedade, mais ou menos bem sucedidas, destinadas a garantir ou ampliar o capital e o poder das famílias. Destaco o lugar ocupado pelas mulheres, educadas para a submissão, mas, sempre que tinham uma oportunidade, ao enviuvar, por exemplo, prontas a assumir papéis sociais proeminentes, à época, atribuído aos homens.

 

Tamanho:16X24 cm - 224p.; il.

Capa:Impressão em cores

Miolo/impressão:Impressão em preto; ilustrações

Acabamento:Capa em papel cartão

Edição:1ª Edição, 2008, Léo Christiano Ed.

Preço:35